Perigos do verão

03/01/2008 by arcabrasil | Filed under Cão e Gato, Dicas/ Lazer.

Saiba como prevenir que seu animal passe mal durante os passeios e viagens

Janeiro é uma época de viagens e de maior contato com o sol e a natureza. Nesse período também aproveitamos para sair mais com os nossos companheiros de quatro patas. Porém, o horário e a duração destes passeios precisam ser bem pensados, para não colocar em risco a saúde, e até a vida, dos nossos mascotes.

O calor de verão excessivo e o interior dos automóveis sob altas temperaturas tornam-se algozes dos cães nessa época do ano. Tudo isso porque o animal tem apenas a boca e as almofadas das patas para regular a temperatura de seu corpo e, dependendo da espessura de sua pelagem e de seu sistema respiratório, pode ser vítima de hipertermia, ou seja, superaquecimento.

Outro hábito que pode levar os nossos amigos peludos a terem a temperatura corporal elevada demais é deixá-lo trancado em lugares sem sombra, interiores sem ventilação e dentro do carro, mesmo na sombra e com janelas abertas. A temperatura dentro de um automóvel trancado se eleva rapidamente e no verão é ainda pior: pode chegar a até 100°C em poucos minutos.

“No verão, recebemos de um a dois casos por semana de animais com hipertermia”, revela Renata Setti , clínica geral que trabalha em um local próximo ao Parque Ibirapuera. De acordo com ela, os sintomas que podem ser percebidos no animal são alteração respiratória, prostração, vômito, tontura e imobilidade. “O animal não quer se movimentar de jeito nenhum”, completa a médica. No carro, o cão também pode apresentar sinais de fraqueza, tremores musculares e colapso.

Ao perceber esses sintomas é preciso resfriar o corpo do bicho imediatamente (pode ser com água fria) e correr para um hospital veterinário. “O animal pode morrer por insuficiência renal e edema pulmonar causados pela hipertermia”, explica a veterinária. Isso acontece, porque o organismo dele assume uma temperatura tão quente que as suas células começam a ser destruídas (hipertermia celular) ou por entrar em um processo extremo de desidratação (hipertermia por choque térmico).

Para evitar essas situações, a clínica geral recomenda que os passeios sejam realizados antes das oito horas da manhã e depois das cinco horas da tarde – o que também evita que o melhor amigo do homem queime as patinhas no asfalto quente. E atenção: nunca levá-los para passeios – como shoppings e praias – em que precisem ficar trancados no veículo.

Como evitar a hipertermia:

  • Passeios apenas antes das 8h e depois das 17h, evitando os picos do sol.
  • Sempre levar água para que o animal possa beber durante o passeio.
  • Nunca trancar o animal em quintais sem sombra, interiores sem ventilação e dentro do carro, mesmo na sombra e com janelas abertas.
  • Refrigerar o corpo do animal com água gelada ao menor sinal dos sintomas e levá-lo imediatamente para um veterinário.
  • Dar atenção especial para raças peludas (como o são bernardo, puddle e rusk siberiano) e para cães braquicefálicos (de nariz curto, como o boxer e o bull dog).

Tags: , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*