Trecho da BR-101 é sentença de morte para animais

14/03/2015 by arcabrasil | Filed under Justiça e Legislação, Vida Silvestre.
Estudo revela número astronômico para os atropelamentos de animais silvestres nas rodovias do país. Medidas urgentes do governo federal e MMA devem ser adotadas para preservar esses tesouros biológicos


Um dado preocupante da ONG Instituto Últimos Refúgios aponta que cerca de 20 mil animais silvestres são atropelados todo ano no trecho da BR-101, que corta as reservas de Sooretama e Vale, no Espírito Santo. Somente este ano, quatro animais de grande porte (três antas e a onça parda da foto) já foram mortos, o que significa, em uma projeção, que 16 animais podem ser vítimas de atropelamentos até dezembro.

Mais alarmante ainda é o estudo semelhante do CBEE da Universidade Federal de Lavras, que sinaliza 475 milhões de animais atropelados por ano nas rodovias de todo país. Segundo o estudo, baseado em algoritmos de estimativas de atropelamentos, a maioria é de pequeno porte, mas nem por isso o impacto dessas mortes deve ser subestimado. Um ecossistema é um organismo que depende da interação de cada ser vivo, portanto, medidas urgentes devem ser tomadas.

Medidas para evitar os atropelamentos

- Reduzir e fiscalizar a velocidade das vias que cortam reservas ambientais
- Construir túneis subterrâneos para facilitar passagem da fauna
- Cercar os trechos de maior ocorrência e direcionar para os túneis
- Instalar acessos aéreos para travessia de animais arborícolas, como por ex. macacos e bicho preguiça.
- Substituir árvores frutíferas nas margens das estradas por árvores nativas, que atrairão menos animais em busca de alimentos.

Soluções que salvam vidas
Países como Holanda e Canadá, encontraram soluções relativamente simples, que apresentam bons resultados e ajudam a preservar espécies ameaçadas de extinção. Os ecodutos, como são chamados, são estruturas compostas de camadas de rocha, solo, vegetação rasteira e até árvores médias. O objetivo é oferecer segurança e um ambiente o mais natural possível aos bichos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*