Morte de leão símbolo da vida selvagem no Zimbábue causa revolta

29/07/2015 by arcabrasil | Filed under Justiça e Legislação, Maus tratos, Vida Silvestre.

O caçador norte-americano Walter Palmer, acusado de matar no último dia 6 de julho o leão Cecil – grande atração turística e considerado o animal mais famoso do Zimbábue – alegou inocência. “Eu me arrependo profundamente que minha busca por uma atividade que amo e pratico de forma responsável e legal tenha resultado no abate desse leão.”

Segundo a ONG Força de Preservação do Zimbábue (ZCTF), depois de morto Cecil foi degolado e teve a pele arrancada. Sua juba não foi encontrada até o momento. A polícia local confirmou que Palmer poderá responder por caça ilegal, e os outros dois envolvidos pegarem até 15 anos de prisão.

O caso gerou revolta por vários aspectos, entre eles o desrespeito à lei, o suborno, além da covardia e o incentivo à violência. Nada pode justificar a morte de um animal por diversão ou “esporte”.

Embora a caça seja proibida no Brasil*, episódios semelhantes mobilizaram a opinião pública do país. É o caso da fazendeira Beatriz Rondon, que em 2011 foi filmada ao permitir que caçadores estrangeiros matassem uma onça pintada em suas terras. Saiba mais.

A caça viola a integridade inerente de cada animal e afeta o equilíbrio natural das espécies, além de atentar contra os valores humanitários.

(*) exceção para pontarias pontuais e específicas, em geral no Rio Grande do Sul.

Veja a matéria completa sobre o que ocorreu em Zimbábue.


Tags: , ,

One Response to “Morte de leão símbolo da vida selvagem no Zimbábue causa revolta”

  1. sandra disse:

    este idiota tem que ser punido de maneira exemplar tipo ser condenado a morte imaginas quantos animais já foram mortos nas mãos desse maldito que ele morra e seja mostrado e que a caça seja proibida

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*